Principais Características

  • Origem: desconhecida
  • Altura: 48-58cm
  • Peso: 18 a 27kg
  • Pelo: curto Cor: branco com manchas pretas ou castanhas escuras
  • Função original: diversas funções

Origem e história da raça

Apesar de ser uma das raças mais populares de sempre, a sua origem está repleta de incertezas, em particular por estar associada ao povo romeno, de espírito nómada, acompanhando-os nas suas viagens. O seu nome foi inspirado precisamente numa dessas jornadas, enquanto estavam instalados na região de Dalmácia.

Incertezas à parte, sabemos que esta raça se tornou conhecida no início do século XIX, desempenhando várias funções. Primeiramente foi utilizado para acompanhar as carruagens da realeza na era Vitoriana. Tinham como objetivo abrir caminho para os cavalos, protege-los de possíveis ataques de outros animais, em particular enquanto descansavam, oferecendo também um toque de glamour, bastante apreciado no meio aristocrático.

Posteriormente, o patudo repleto de pintas encantou os apreciadores da raça ao trabalhar como cão de pastoreio, caçador de ratos, cão de circo e, surpreenda-se, cão bombeiro!

 No início do século XIX o equipamento dos bombeiros era ainda transportado por cavalos e tal como sucedia com o transporte de carruagens, os Dálmatas tinham como função abrir caminho, proteger os cavalos e o equipamento, chegando inclusive a ajudar os bombeiros no salvamento de pessoas. Ainda hoje é possível ver inúmeros exemplares desta raça como mascotes de quarteis de bombeiros americanos.

A sua popularidade atingiu o pico depois do filme 101 Dálmatas que deliciou os espectadores, conduzindo contudo, a uma procura desenfreada de exemplares que, por sua vez, levou à criação irresponsável de inúmeros patudos. Resultado? Dálmatas com imensos problemas comportamentais. Atualmente a situação está mais controlada, ainda assim, é extremamente importante averiguar a origem do seu animal.

Temperamento do Dálmata

E como é o famoso cão de pintas pretas? Um pouco como é retratado no grande ecrã. É, sem dúvida, divertido, ágil e inteligente, mas não é um cão para qualquer dono, em particular para donos inexperientes.

Conhecido pela sua inesgotável energia, este patudo adora correr e participar em atividades com a família. Se gosta de fazer exercício, caminhadas, longos passeios ou jogos em família, encontrou o seu parceiro ideal! O Dálmata não só adora atividades físicas, como também anseia por estar junto da sua família.

Não é de todo o cão ideal para uma família que não tenha tempo para se dedicar ao mesmo ou que esteja pouco tempo em casa. Este precisa de atenção e companhia e o isolamento poderá levar a comportamentos destrutivos, como cavar, ladrar ou roer.

Mostram-se um pouco reservados com estranhos e poderão ter o mesmo comportamento e postura com outros animais, caso não sejam devidamente socializados desde cedo. Tal como acontece com todos os outros cães, os dálmatas precisam de ser expostos a várias situações, pessoas, animais e ambientes para se tornarem cães equilibrados e não assustados, reservados ou agressivos.

Se forem devidamente socializados, por norma, dão-se bem com outros animais, em especial com crianças, uma vez que adoram brincadeira. Contudo, devido ao seu porte grande, não será aconselhável deixar crianças pequenas sozinhas com o seu animal de estimação, dado que poderão derrubá-las sem intenção ou até reagir de forma menos positiva se o provocarem.

Como Cuidar de um Dálmata

Se o Dálmata é o seu cãopanheiro de eleição, certifique-se que tem tempo e energia para o acompanhar. Lembre-se que este patudo já teve como função acompanhar cavalos, logo tem uma aptidão inata para correr e necessita disso mesmo para se sentir equilibrado e feliz.

Inclua-o nas suas atividades em família, pratique exercício com ele e comece desde cedo um treino de obediência. Os Dálmatas são muito inteligentes e podem também mostrar-se obstinados. Como tal, é necessário alguma experiência para que se impor como líder, caso contrário, ele irá tentar fazê-lo.

É importante reforçar que apesar de serem divertidos e obstinados, são muito sensíveis e não respondem bem a um treino demasiado autoritário, com foco na punição. Pelo contrário, o dálmata responderá com eficácia a um treino com firmeza, sensibilidade e reforço positivo.

Considerando as funções que desempenhou no passado e o seu porte atlético, sair-se-á muito bem em treinos de agilidade, portanto se quiser fazer do seu cãopanheiro uma estrela, dedique-se aos treinos e crie uma relação harmoniosa com o mesmo.

Ao escolher esta raça, deverá ter também em conta os aspetos negativos inerentes à mesma. Queda de pelo? Prepare-se, pois o Dálmata perde pelo durante todo o ano. Se gosta de ver os seus casacos limpos e o chão da sua casa impecável, com este patudo será uma tarefa impossível. Poderá controlar a perda de pelo com escovagens regulares, mas não se livrará dele na totalidade!

São muito suscetíveis à surdez, podendo até nascer surdos, o que pressupõe cuidados especiais, assim como muita dedicação e paciência. Outro aspeto relevante é o facto de terem um sistema urinário único no reino animal que facilmente conduz à formação de pedras nos rins. Desta forma, é crucial irem várias vezes à rua e terem sempre água fresca à disposição, para manter o trato urinário limpo.

Tal como é comum com todas as raças, devem expor o vosso patudo ao corte de unhas e limpeza de ouvidos desde cedo, para garantir que futuramente não reagirão de forma negativa ao processo. É também importante limitar o número de banhos ao máximo. A escovagem regular irá manter o pelo limpo e sedoso.

Saúde de um Dálmata

Principais Preocupações: sistema urinário, audição

Vistos ocasionalmente: surdez hereditária, urolitíase, alergias de pele, displasia da anca, displasia do esfíncter da íris.

Exames Sugeridos: ouvidos, sistema urinário

Esperança média de Vida: 12-14 anos