Principais Características

  • Origem: Suíça
  • Altura: macho – 70 a 90 cm; fêmea – 65 a 80 cm
  • Peso: macho – 80 a 100 kg; fêmea – 80 a 100 kg
  • Pelo: curto ou comprido Cor: branco e castanho
  • Função original: cão de busca e salvamento, cão de guarda

Origem e história da raça

Presume-se que os descendentes destes impressionantes exemplares tenham surgido nos Alpes Suíços no século XI, fruto do cruzamento entre os molossóides que acompanharam o império romano na demanda pela expansão e os cães nativos suíços. Contudo, só cerca de 600 anos mais tarde surgem registos da raça.

O estimado São Bernardo que conhecemos hoje foi desenvolvido por monges que trabalhavam no hospício Saint Bernard Pass no século XVI. Os cães tinham como função protegerem a propriedade e os monges quando estes partiam em busca de viajantes que poderiam estar perdidos ou feridos nos Alpes Valesianos.

Rapidamente perceberam que para além de ótimos protetores, eram também excelentes cães de busca e salvamento, socorrendo inúmeros viajantes. Consequentemente, de forma a otimizar esta característica, cruzaram-nos com os cães de raça Newfoundland e Bloodhound, originando assim uma raça de grande porte, capaz de suportar invernos rigorosos e dotado de grande inteligência e faro.

De facto, os resultados são admiráveis. Segundo os arquivos, os cães que se encontravam ao serviço do hospício, salvaram ao longo de três séculos mais de duas mil pessoas.

Apesar da crescente popularidade, apenas em 1880 foram finalmente batizados com o nome de São Bernardo e em 1887 o Congresso Internacional de Zurique definiu o perfil standard da raça, aceite por todos os países, à exceção de Inglaterra.

Com o tempo, o interesse por estes exemplares conduziu à exportação dos mesmos para outros países, dando origem a cães mais altos e magros, fruto do acasalamento com outros canídeos.

Nos tempos modernos, o São Bernardo já não desempenha missões de busca e salvamento, apesar de estar ainda presente no hospício Suíço. Atualmente é visto como cão de estimação e desfruta da companhia dos donos em suas casas.

Temperamento do São Bernardo

Quando pensamos em patudos desta raça, certamente imaginamos o famoso Beethoven imortalizado por Hollywood – um cão divertido, enorme, inteligente e leal!

Sem dúvida que o São Bernardo reúne todas estas características e apesar do seu porte grande, este é um cão caseiro. Adora a companhia dos donos e não é de todo um cão para ser esquecido no quintal, pois poderá desenvolver comportamentos destrutivos.

Adapta-se bem a viver em apartamentos, mas é crucial que tenha espaço para se movimentar ou acesso a uma área exterior.

São extremamente gentis e pacientes, em particular com crianças. Todavia, a interação entre ambos deverá ser sempre supervisionada devido ao seu porte grande, uma vez que poderá derrubar acidentalmente uma criança pequena.

Não são conhecidos por ladrarem, mas fá-lo-ão se desconfiarem de algo ou caso sintam necessidade de proteger a sua família.

Contudo, se a limpeza da sua casa é crucial para si, este poderá não ser o seu cão ideal. Uma das cenas mais icónicas e hilariantes do filme Beethoven é quando este se abana e cobre tudo de baba. É sem dúvida uma das suas características, assim como a queda de pelo e as patas geralmente sempre muito sujas, em particular se tiver acesso a um jardim.

Outro aspeto que poderá preocupar ou pelo contrário, entusiasmar futuros donos é o seu carácter jovial e infantil que perdura muitos anos. Portanto, prepara-se para lidar com um cachorro e tudo o que isso implica durante muito tempo!

Pondere sempre antes de tomar uma decisão. Informe-se acerca da personalidade do patudo em questão e das suas necessidades e perceba se tem disponibilidade para responder às mesmas, para que opte por um cãopanheiro que corresponda ao seu estilo de vida e que lhe permita desfrutar de uma relação harmoniosa e equilibrada.

Como cuidar de um São Bernardo

Dobro do tamanho, dobro do trabalho? Nem por isso! Apesar do seu tamanho imponente, um São Bernardo não requer cuidados excessivos.

Deve ter em conta que esta raça foi desenvolvida para viver em climas frios. Como tal, é fundamental evitar uma exposição prolongada ao sol ou caminhadas no exterior em alturas mais quentes. Deverá ter sempre acesso a água e sombra, dado que é comum sofrerem de insolação ou exaustão.

São pesados, é um facto e, por isso, o exercício físico deverá ser moderado. É importante exercitarem, fazerem algumas caminhadas diárias, num passo regular, para evitar o excesso de peso, mas sempre com cuidado, de forma a não sobrecarregarem as suas articulações.

Tal como acontece com outras raças, é necessário expô-lo desde cedo a um treino de obediência e socialização, em particular devido ao seu porte grande, pois será mais difícil de controlá-lo se não for um cão equilibrado e obediente.

Adora a companhia dos donos e participar em atividades que envolvam toda a família. Desta forma, tenha em conta que o seu cãopanheiro precisa de atenção e carinho, tal como qualquer outro membro da sua família.

Para evitar que a sua casa esteja sempre coberta de pelo, deverá escová-lo com regularidade, em especial na primavera e outono, para minimizar a queda do mesmo e mantê-lo brilhante. Os banhos, como habitual, deverão ser esporádicos e de preferência, num espaço exterior.

A escovagem de dentes e corte de unhas é, obviamente, importante em todas as fases da vida do seu patudo para evitar problemas de saúde. O ideal é expô-lo desde cedo a esta rotina de higiene para que este se habitue facilmente.

Infelizmente, devido ao seu porte grande, a esperança média de vida é, geralmente, apenas de 8 a 10 anos de idade.

Saúde do São Bernardo

Principais Preocupações: nenhuma

Vistos ocasionalmente: displasia da anca e cotovelo, epilepsia, alergias, cataratas e torção gástrica

Exames Sugeridos: quadril, olhos e pele

Esperança média de Vida: 8-10 anos