TREINO SEM TRAUMAS

Cada comando e cada aprendizagem carregam consigo muitos significados que ficarão como lembranças no subconsciente do seu cão.

Da mesma maneira que um professor nos pode fazer adorar ou odiar alguma disciplina, também um treinador pode fazer o cão adorar ou odiar o comando. É claro que nosso objetivo é levar o cão a responder aos nossos comandos corretamente e o mais rápido possível. Contudo, para que tal suceda, é crucial tomarmos inúmeros cuidados desde a primeira lição.

Qualquer fator negativo durante a aprendizagem irá contribuir para uma resposta menos eficiente e para a má vontade do seu cão em efetuar o comando, uma vez que subconscientemente ele vai relacionar o comando com os fatores da aprendizagem.

Para quem ingressa na nossa escola, percebe na primeira aula que, para além das regras de ouro que acompanham todo o processo de ensino do cão no dia a dia, é o comando da chamada, na nossa ótica, o mais importante.

Quando habitualmente soltamos o cão num parque de cães, chamamo-lo, recompensamo-lo e colocamos-lhe a trela. Este simples ato leva o cão a associar o comando da chamada a um castigo e o mais provável é que ele deixe de executar o comando quando o chamarmos novamente.

Todavia, se formos recompensando o cão sempre que o chamamos e o libertarmos em seguida, colocando a trela apenas uma vez, o comando da chamada torna-se algo positivo, pois sempre que o dono o chama, o cão vem receber a recompensa. Numa dessas vezes colocamos a trela, sem que o cão perceba quando irá suceder.

Numa primeira fase, levamos o cão a aprender os comportamentos e posições com base na recompensa, numa segunda fase, recompensamos o cão porque ele agiu corretamente.